E se eu fosse eu?

Wilma Vieira

E se eu fosse eu?

E se eu fosse eu?
Desprendido de minhas crenças debilitantes
E desse desejo incapacitante
Que aprisiona os meus lábios e dedos

E se fosse eu,
Não por vontade, mas por obrigação
De à diversidade estender minha mão?

E se eu fosse eu,
E florescesse como a criança que um dia fui?
Confiante!
Comprometida com ousadia
Amante dos dias

Como eu seria, se eu fosse eu?

Quem me dera,
Deixar de ser uma cópia à risca
De um original que se perdeu de vista
E talvez, nem exista

Menina de cor.
Cordel d’ prata, 2021, p. 99.

BIO

Ela tem apenas 24 anos, mas há muitos usa a poesia como ferramenta para expressar sua visão de vida. Depois de participar em várias antologias, Wilma Vieira, cabo-verdiana e adotiva portuguesa, foi lançada em 2021 com o seu livro de poemas "Menina de Cor", livro que contém "E se eu fosse eu", poema que ganhou o prémio de Melhor Poesia do Ano em Portugal. A peça dá conta de como, na obra de Wilma Vieira, a reflexão sobre a própria vida torna-se uma reflexão sobre a vida de qualquer um e, portanto, uma visão lírica e existencial da vida de todos.

Desprazamento
Bottom Reached
PT