27 de Outubro | Gala entrega de premios e actuacións

Auditorio de Galicia | Compostela

Nómada

José Luís Barreto Guimarães

Nómada

Só o amor pára o tempo (só
ele detém a voragem)
rasgámos cidades a meio
(cruzámos rios e lagos)
disponíveis para lugares com nomes
imprønünçiåveis.
É preciso conhecer os mapas
mais ao acaso
(jamais evitar fronteiras
nunca ficar para atrás)
tudo nos deve assombrar como neve
em Abril. Só o amor pára o tempo só
nele perdura o enigma
(lançar pedras sem forma e o lago
devolver círculos).

Nómada.
Pág. 66, Quetzal

Desprazamento
Bottom Reached
GL