Utilizamos cookies de terceiros para mellorar continuamente os nosos servizos. Se continúas navegando aceptas o uso destas.

   Saber máis - Aceptar.
Galego Português
Entrevistamos a Georgina Benrós de Mello

Entrevistamos a Georgina Benrós de Mello

 

“Em quanto exerci meu mandato de seis anos na CPLP tive diversas oportunidades de apreciar o quão próxima de nós está a Galiza”

«Quando eu estudaba, em Cabo Verde, Santiago de Compostela era como uma luz que brilhaba na escuridade da Idade Media. O meu pai era apaixonado pela Historia e sempre me ficou a vontade de conhecer esta cidade; por iso é um privilégio vir já por terceira vez aqui», declarou nunha das súas visitas á Galiza, em outubro do pasado ano.

Georgina Benrós de Mello (Mindelo, Cabo Verde, 1953) foi diretora geral da Comunidade dos
Países de Língua Portuguesa (CPLP) entre 2014 e 2020 e ex-ministra do Comércio e Turismo de Cabo Verde. Licenciou-se em Economia pelo Instituto Superior de Economia e Gestão da Universidade Técnica de Lisboa e fez estudos de pós-graduação com o CENFA (Cabo Verde) e FUNDAP (Brasil), e com a Graduate School of Public and International Affairs da Universidade de Pittsburgh (EEUU). Trabalhou como economista em Cabo Verde, assim como em Timor-Leste, tem experiência nos setores público e privado, em organizações internacionais e ainda em organizações da sociedade civil. Também exercitou as funções de Coordenadora da Unidade Nacional de Implementação do programa Quadro Integrado Reforçado (da Organização Mundial do Comércio) em Cabo Verde.

 



- O que a concessão significa para você do Prémio Especial aRi[t]mar do júri “Embaixada da amizade galego-lusófona”?

- Agradeço a generosidade do júri ao decidir atribuir-me o prêmio especial e agradeço a Escola Oficial de Idiomas de Santiago de Compostela pela iniciativa da criação do certame Aritmar, que visa promover e celebrar a construção de pontes de amizade e de colaboração entre a Galiza e os países de língua portuguesa e um plano cultural, nomeadamente as questões da língua, mas também na música e na poesia.

 

- Como avalia a colaboração alcançada entre a Galiza e a Lusofonia durante o seu mandato como diretora geral da CPLP?

- Em quanto exerci meu mandato de seis anos tive diversas oportunidades de apreciar o quão próxima de nós está a Galiza e o quão engajados são os seus dirigentes políticos tanto a nível do executivo como a nível parlamentar, como engajada está a sua sociedade civil, a academia, o mundo empresarial, as organizações não governamentais, as organizações da sociedade civil em geral, na construção de pontes e um caminho de integração na CPLP. Foi por isso para mim com muita emoção que tomei conhecimento da decisão do júri e com humildade aceitei o prémio que me foi atribuído.

   

- Que mensagem você passará para o público presente na gala de premiação?

- Infelizmente, as circunstâncias da pandemia que prevalece no mundo desde março me impedem de estar com vocês neste momento para agradecer pessoalmente a todos porque as fronteiras continuam encerradas. Quero exprimir mais uma vez os meus profundos agradecimentos às autoridades galegas, em especial as Secretarias Gerais de Política Linguística e da Cultura e a direção da Escola Oficial de Idiomas de Santiago de Compostela. Como vocês sabem, admiro e amo a vossa cidade, e permitam-me também uma palavra de estímulo, e também de agradecimento, aos observadores consultivos da CPLP na Galiza, o Conselho da Cultura Galega e a Academia Galega da Língua Portuguesa, cujos trabalhos abrangados ao longo de todos estes anos contribuíram seguramente de forma muito importante para a candidatura de Espanha a observadora social da CPLP e a ser submetido aos órgãos da CPLP. A pandemia levou ao adiamento da cimeira de chefes de Estado e de governo da CPLP para 2021, o que impediu que esse estatuto já tivesse sido atribuído.
Acredito que o que isso acontecerá em 2021, pois co dossiê está pronto, e seguramente os nossos chefes de Estado e de governo vão aprovar e atribuíram à Espanha o estatuto de observador associado da CPLP.

 

 

aRi[t]mar
Difundir a música e a poesia, aproximar a cultura e a língua da Galiza e Portugal.
Promove
Escola Oficial de Idiomas de Santiago de Compostela, Consellería de Cultura, Educación e Ordenación Universitaria.
Patrocinan / Patrocinam
Secretarías xerais de Cultura e de Política Lingüística, Deputación Provincial da Coruña e Concello de Santiago de Compostela, Agrupamaneto Europeo de Cooperación Territorial Galicia-Norte de Portugal e Instituto Camões-Centro cultural Portugués de Vigo.
Colaboran / Colaboram
Facultade de Filoloxía de Santiago de Compostela, Escola Oficial de Idiomas de Lugo, Escola Oficial de Idiomas de Pontevedra, Centros do Ensino Português pelo Camões na Galiza, Conservatorio Profesional de Música de Santiago de Compostela.