Utilizamos cookies de terceiros para mellorar continuamente os nosos servizos. Se continúas navegando aceptas o uso destas.

   Saber máis - Aceptar.
Galego Português

 

Entrevista a Marta Chaves

Por algún motivo no se a completado la carga del separador, pincha el botón recargar para intentarlo de nuevo.

Recargar

“Escrever em português é a minha mais preciosa tradição”

Marta Chaves: “Escrever em português é a minha mais preciosa tradição”
Marta Chaves (1978) nasceu em Coimbra e vive em Lisboa. Desde 2008, tem vindo a revelar os seus poemas em diversas antologias poéticas e revistas de poesia, para além de publicar seis livros. Conta nesta entrevista que escrever em português é “um encontro espantoso, entre algo que me possui e liberta simultaneamente”.

 

O que representa para ti receberes este prémio aRi[t]mar?
Foi uma surpresa. É um prémio particularmente bonito, pelo facto da votação ser feita pelo público, portanto foi uma escolha feita por  anónimos, que reconheceram algo na minha escrita. Significou ter sido escutada como se fosse alguém que nem sequer sabia que tinha a palavra. Ser acolhida pela Galiza desta forma, é estar no centro de um entusiasmo que tive a sorte de sem saber, vir a partilhar. Espero também vir a conhecer mais da poesia galega e isso por si, já é outro prémio.

Qual achas que é a situação atual da poesia em Portugal?
Seja em que universo for, é sempre um espanto encontrar clarões, e existem alguns poetas que muito admiro e que serão sempre actuais para mim, mas levo tempo a chegar ao que é novo.

Que fortalezas encontras no uso do idioma português como escritora?
Escrever na minha língua, é estar inextrincavelmente ligada a algo que me ultrapassa e poder ainda sim, sentir uma identidade própria. É um encontro espantoso, entre algo que me possui e liberta simultaneamente. É, penso agora, a minha mais preciosa tradição.

Que transmitirias às pessoas que estão a começar na poesia?
Ler, ler, ler.

Que vais oferecer na gala aRi[t]mar de 4 de dezembro no Auditório da Galiza, em Santiago de Compostela?
A minha gratidão aos leitores e retribuirei com a leitura de alguns poemas inéditos.

 

 


aRi[t]mar
Difundir a música e a poesia, aproximar a cultura e a língua da Galiza e Portugal.
Promove
Escola Oficial de Idiomas de Santiago de Compostela, Consellería de Cultura, Educación e Ordenación Universitaria.
Patrocinan / Patrocinam
Secretarías xerais de Cultura e de Política Lingüística, Deputación Provincial da Coruña e Concello de Santiago de Compostela, Agrupamaneto Europeo de Cooperación Territorial Galicia-Norte de Portugal e Instituto Camões-Centro cultural Portugués de Vigo.
Colaboran / Colaboram
Facultade de Filoloxía de Santiago de Compostela, Escola Oficial de Idiomas de Lugo, Escola Oficial de Idiomas de Pontevedra, Centros do Ensino Português pelo Camões na Galiza, Conservatorio Profesional de Música de Santiago de Compostela.